(43) 3336-8556

Materiais Educativos

ARTIGOS E E-BOOKS PARA DAR MAIS EFICIÊNCIA AO SEU LABORATÓRIO
16 fev 2017

Quais são os alimentos ideais para servir no laboratório?

//
Comentários0

O jejum é obrigatório para a realização de muitos exames laboratoriais periódicos, e quem já teve que ficar seis, oito, ou até doze horas sem comer sabe que não é assim tão fácil.

Então, pensando no paciente e na experiência que ele terá no laboratório, é imprescindível planejar um desjejum de qualidade. Mas como acertar nos alimentos para servir no laboratório?

A seguir, conheça boas opções para o desjejum dos seus pacientes e saiba como oferecer esse cuidado no seu laboratório!

Os tipos de alimentos para servir no laboratório

Em primeiro lugar, é fundamental manter sempre à disposição dos pacientes um filtro com água e copos descartáveis, mesmo na sala de espera, pois a hidratação é importante. No entanto, como há pacientes que vão realizar exames que não permitem o consumo de nenhum líquido antes do procedimento, é preciso deixar um aviso para lembrar as pessoas sobre as regras de ingestão de líquidos.

Passando para o espaço de alimentação propriamente, os itens mais recomendáveis para um desjejum no laboratório são aqueles fáceis de comer, pois os pacientes nem sempre estarão com tempo de sobra. Portanto, dê preferência aos produtos que as pessoas possam levar consigo para comer no caminho.

Biscoitos em embalagens individuais são opções que proporcionam bastante praticidade. Outra boa aposta são os pãezinhos de queijo em saquinhos, que, além de saborosos, são de transporte fácil.

É interessante também oferecer opções de lanches mais saudáveis, como salada de frutas e suco natural.

Você também pode disponibilizar garrafas térmicas com café (sem açúcar), leite desnatado e água quente para fazer chá. Deixe sachês de vários sabores de chá e de açúcar e adoçante disponíveis sobre a mesa para que os pacientes preparem as suas bebidas a gosto.

Com a organização da mesa de alimentos feita, assim como no caso da água, é imprescindível informar claramente sobre os produtos que podem ser consumidos por cada paciente. Além disso, manter uma pessoa responsável pela área de desjejum, a qual seja treinada para orientar os pacientes em todos os momentos, pode ser útil dependendo do seu volume de atendimento.

A qualidade do serviço e o equilíbrio dos custos

Além de pensar nos alimentos para servir no laboratório, é preciso planejar bem o espaço oferecido aos pacientes. Ou seja, priorize a qualidade de atendimento: a sala de alimentação deve ser aconchegante e estrategicamente posicionada para proporcionar bem-estar depois de as pessoas ficarem tantas horas sem comer.

O local do desjejum deve estar sempre limpo, com a mesa organizada, e os alimentos devem ser repostos constantemente. Bancos e cadeiras confortáveis com mesinhas de apoio também são recomendáveis para tornar o local agradável.

Além disso, é preciso calcular a quantidade de mantimentos para não gerar custos desnecessários. Deve-se estimar o fluxo médio de clientes por período do dia para que seja feito um cálculo correto relativo aos investimentos em alimentação.

Para tanto, a contabilidade pode ser feita por pessoa. Para você não errar na quantidade, tome como base, para cada paciente, as seguintes referências:

  • 250ml de líquido.
  • 2 pacotes individuais de biscoito.
  • 5 pãezinhos de queijo.
  • 1 salada de frutas.
  • Caso você ofereça alguma opção doce, como bolo, por exemplo, corte o alimento em pedaços menores e calcule 3 unidades por pessoa.

Ainda, se você quiser incrementar a oferta de bebidas, pode ser instalada uma máquina de café que ofereça opções mais diversificadas, como mocaccino, cappuccino e até chocolate quente, por exemplo.

O cuidado que fideliza

Ao se sentir bem cuidado e recebido, com atenção especial para uma alimentação de qualidade, o paciente tende a guardar uma boa lembrança da experiência positiva vivida dentro do laboratório. Esse registro mental é o que leva as pessoas a tecerem uma visão satisfatória sobre a marca, o que garante a fidelização e um maior volume de pacientes.

Ao fidelizar pacientes, sabendo quais alimentos servir no laboratório e prestando um bom serviço, você não só ganha por poder contar com uma clientela fixa, mas também por existir a possibilidade de as pessoas atendidas assumirem o papel de embaixadoras. Ou seja, os pacientes fiéis são potenciais divulgadores do serviços do seu laboratório.

Gostou das dicas sobre alimentos para servir no laboratório? Então que tal aprender ainda mais com 5 dicas para garantir um bom atendimento ao seu paciente?

Deixe seu comentário