(43) 3336-8556

Segurança do trabalho em laboratórios clínicos: boas práticas e deveres

Segurança do trabalho em laboratórios clínicos
8 out 2018

Segurança do trabalho em laboratórios clínicos: boas práticas e deveres

Não dedicar a devida atenção à segurança do trabalho pode trazer sérios riscos para qualquer empresa, inclusive para os laboratórios clínicos.

O problema é que nem sempre os gestores e as equipes conhecem as exigências e estão cientes da importância desse assunto. Os acidentes em laboratório são muito comuns e podem gerar problemas graves para os profissionais.

A segurança do trabalho é uma ciência que tem o objetivo de prevenir acidentes relacionados aos mais diversos tipos de ocupações profissionais. Mesmo sem perceber, os trabalhadores podem estar expostos a inúmeras situações que ameaçam sua saúde ou integridade física.

Por esse motivo, a empresa deve fazer uma análise dos fatores de risco existentes em todas as tarefas e operações envolvidas no seu cotidiano.

Alguns exemplos de situações perigosas envolvem eletricidade, máquinas, transporte de materiais, manuseio de produtos químicos, acidentes de trabalho e contato com agentes biológicos na coleta, entre outros.

A partir de agora, você vai poder entender por que a segurança do trabalho em laboratórios clínicos é tão importante.

Além disso, também vai conhecer os tipos de riscos encontrados nesse ambiente de trabalho, assim como as normas e as práticas fundamentais para garantir a segurança no local. Confira o conteúdo a seguir e saiba mais sobre o tema!

Por que a segurança do trabalho em laboratórios clínicos é fundamental?

Os laboratórios de análises clínicas são ambientes que trazem vários fatores de risco. Alguns exemplos desses perigos são:

  • contaminação pelo uso ou manuseio de material biológico e solventes orgânicos,
  • ponteiras e tubos,
  • material pontiagudo ou cortante,
  • além dos mais variados riscos biológicos.

Segundo o Portal Academia de Ciência e Tecnologia, a maior parte dos problemas envolve materiais perfurocortantes (como seringas, agulhas), que representam entre 80% a 90% dos acidentes. Esse tipo de situação não só coloca em risco os próprios profissionais, como pode diminuir a qualidade do trabalho.

Quais são os tipos de riscos encontrados em laboratórios?

Existe uma classificação de riscos para os ambientes de trabalho. Conhecer essa escala ajuda no desenvolvimento de estratégias preventivas e de enfrentamento de problemas no laboratório. Veja mais a seguir:

Riscos ergonômicos

Os riscos ergonômicos estão associados a esforços repetitivos que afetam a postura do colaborador.

Problemas de coluna, lesões por esforços repetitivos, má postura com o transporte de peso são alguns fatores que podem causar danos ao trabalhador e prejudicar sua capacidade laboral.

Mapear essas ameaças é importante para evitar problemas e encontrar formas de realização do trabalho que não só promovam qualidade de vida e como também evitem dificuldades para o profissional.

Riscos físicos

Os riscos físicos estão associados a condições ambientais que podem provocar algum dano para o colaborador.

Temperaturas elevadas ou muito baixas, pressões anormais e materiais escorregadios no piso são alguns exemplos.

Riscos químicos

Os riscos químicos estão associados à exposição a substâncias que podem penetrar no organismo e provocar danos.

Ácidos e bases concentrados, por exemplo, emitem partículas que podem ser agressivas para as vias nasais. Substâncias radioativas também são um exemplo de compostos que podem ameaçar o colaborador.

Riscos biológicos

Os riscos biológicos são causados por micro-organismos, como fungos, bactérias e protozoários.

Eles podem provocar doenças, infecções e gerar vários prejuízos para o colaborador. Em um laboratório de análises clínicas esse risco é muito presente, devido à manipulação de amostras de pacientes e à realização das coletas.

Riscos de acidentes

Os acidentes são as situações em que a integridade física e moral do colaborador fica ameaçada.

Podem ser incêndios, problemas na manipulação de máquinas, cortes com artefatos de trabalho perfurocortantes, armazenagem inadequada de produtos e diversos outros fatores.

Quais são as normas mais importantes?

Para garantir a segurança do trabalho nos laboratórios clínicos, a Anvisa e a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) criaram padrões e normas de condutas. Conheça as principais delas.

RDC 302/2005

Estabelece a necessidade de um manual de biossegurança para treinar e capacitar sua equipe.

Em muitos laboratórios, são utilizados os Procedimentos Operacionais Padrão (POP). Eles têm o objetivo de padronizar condutas do dia a dia, minimizando a ocorrência de erros. Por meio do manual, devem ser informados aos funcionários os seguintes pontos:

  • condutas e normas de segurança ambiental, biológica, física, química e ocupacional;
  • instruções de uso para equipamentos de proteção;
  • o que fazer em caso de acidentes;
  • transporte e manuseio de materiais e amostra biológica.

NBR 14785

Foi criada pela ABNT especificamente para laboratórios clínicos como forma de proteção individual e dos pacientes. De acordo com esta norma, os colaboradores que compõem a equipe devem:

  • ser treinados para interromper qualquer atividade, caso haja risco imediato;
  • identificar e notificar qualquer problema de segurança;
  • providenciar ou recomendar ações que corrijam situações de risco;
  • acompanhar e participar da implementação das ações corretivas.

Para tanto, os laboratórios clínicos precisam investir em um treinamento adequado e contínuo, garantindo a segurança do trabalho de todos. O ambiente de atuação também deve ser projetado pensando na prevenção de riscos de todos os tipos.

Equipamentos de proteção

Além das normas citadas acima, o Ministério da Saúde obriga os laboratórios clínicos a utilizarem equipamentos de proteção.

Eles têm o objetivo de proteger os profissionais do contato com substâncias danosas, agentes infecciosos, materiais perfurocortantes, entre outros.

O próprio laboratório deve fornecer os equipamentos, além de cobrar o uso deles pelos funcionários da equipe. Entenda a seguir a diferença entre os tipos de dispositivos de proteção e quais itens devem ser usados.

O que são EPIs e EPCs e quais são os equipamentos necessários?

Os EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) e os EPCs (Equipamentos de Proteção Coletiva) são equipamentos de proteção fundamentais para aumentar a segurança do trabalho e diminuir o risco de acidentes.

Os EPIs são utensílios individuais para cada trabalhador. Têm a finalidade de proteger a saúde e a vida de cada funcionário. As categorias de Equipamentos de Proteção Individual são:

  • proteção da cabeça: touca, capuz, capacete;
  • proteção dos olhos e do rosto: óculos, viseiras, máscaras;
  • proteção auditiva ou auricular: abafadores, protetores auriculares;
  • proteção respiratória: respirador;
  • proteção do tronco: jalecos, coletes;
  • proteção dos membros superiores: luvas descartáveis, luvas anti-incêndio, braçadeiras;
  • proteção dos membros inferiores: calças, botas etc.

Os EPCs, por sua vez, são materiais fixos ou móveis instalados no local de trabalho. Servem para a proteção coletiva de toda a equipe e empresa.

No caso dos laboratórios clínicos, um dos principais exemplos de Equipamentos de Proteção Coletiva são as Cabines de Segurança Biológica (CSB), também conhecidas como capelas de fluxo laminar.

Essas cabines são utilizadas para proteção do ambiente, além do próprio profissional. Também existem equipamentos que protegem o produto que está sendo manipulado, evitando possíveis contaminações.

Outros dois itens importantes nos laboratórios são o kit de primeiros socorros (necessário para pequenos ferimentos) e o kit de desinfecção (para acidentes com materiais biológicos).

Outros exemplos de EPCs seriam: barreiras de proteção de diversos tipos; corrimão; piso antiderrapante, incluindo degraus de escadas; fitas e outros materiais sinalizadores.

Como evitar acidentes em laboratórios clínicos?

Há diversas estratégias que você pode adotar no empreendimento para prevenir acidentes e manter a segurança do trabalho em laboratório clínico. Acompanhe mais a seguir e garanta a proteção dos seus colaboradores!

1. Invista em capacitações para os colaboradores

Capacitar os funcionários para lidarem com emergências é uma medida fundamental para garantir a segurança do laboratório de análises clínicas.

Os treinamentos são importantes a fim de instrumentalizar os profissionais com recursos para lidarem com eventuais acidentes que podem ocorrer. Um colaborador preparado saberá a postura a adotar para minimizar problemas e solucionar as dificuldades que surgirem.

investimento em capacitação é uma estratégia fundamental para o laboratório garantir a preparação da equipe ao enfrentar imprevistos. Isso ajuda a motivar os profissionais e a manter a segurança do empreendimento.

2. Saiba escolher a mobília e os materiais do laboratório

Os materiais, bancadas e mesas que estão no laboratório precisam ser limpos constantemente, para garantir que eles estejam livres de sujeira e agentes infecciosos.

Assim, é importante escolher móveis com superfície rígida e não porosa. Isso evita o acúmulo de sedimentos e facilita a realização da limpeza.

Além disso, os instrumentos e equipamentos devem ser de fácil manutenção, sendo limpos e esterilizados com facilidade. Isso facilita a rotina da equipe e minimiza a chance de acidentes no laboratório.

3. Instale pisos antiderrapantes

O piso antiderrapante é uma medida de segurança fundamental para o laboratório de análises clínicas. Ele minimiza a chance de acontecerem acidentes de percurso, especialmente quando o chão está umedecido.

Cuidados preventivos em um laboratório são sempre fundamentais. Imagine a gravidade de um acidente de trabalho se um profissional escorrega no chão segurando um frasco de um reagente corrosivo.

Assim, evitar o problema é a melhor alternativa. O mercado já oferece uma tecnologia apropriada para essa situação: um piso antiderrapante é um investimento na segurança do negócio e dos colaboradores.

4. Estabeleça protocolos padronizados para os procedimentos

Ter um procedimento operacional padronizado para cada tipo de atividade feita no laboratório é importante para minimizar o índice de riscos.

Com protocolos predefinidos para todos os serviços oferecidos pelo laboratório, os profissionais vão ter mais facilidade ao conduzirem os processos.

A medida aumenta a previsibilidade das ações realizadas no laboratório, minimizando o índice de erros. Com os procedimentos operacionais preestabelecidos, problemas como a mistura equivocada de reagentes e a exposição a materiais infectantes são reduzidos.

5. Providencie mecanismos de fiscalização do uso de EPI

Nós já comentamos neste conteúdo sobre os EPIs e da importância deles para a segurança no laboratório. Porém, é importante garantir que os profissionais estejam utilizando seus equipamentos de proteção.

Em muitos laboratórios, é comum ver colaboradores trabalhando sem luvas, óculos ou máscaras de proteção.

Muitas vezes, os profissionais são mais rigorosos com EPI no início da trajetória deles na empresa e vão se tornando menos cuidadosos com o passar do tempo.

Assim, é preciso criar mecanismos para verificar se a equipe está realmente utilizando os recursos de proteção durante os procedimentos. Fazer rondas pelo laboratório e pedir aos supervisores observar e notificar o colaborador que não estiver seguindo a regra são boas alternativas.

6. Seja cauteloso com as máquinas

Equipamentos são fundamentais para realizar os processos no laboratório. Porém, com eles, é preciso ter cuidados especiais. Se as máquinas forem mal utilizadas, elas podem gerar grandes riscos para os profissionais.

No caso da centrífuga, por exemplo, se a tampa for aberta antes de os tubos pararem de girar, o conteúdo pode ser despejado para fora. Isso prejudica a análise e expõe o colaborador a grandes riscos, pois a mistura pode conter agentes infectantes, ácidos e bases em concentração elevada.

Outro equipamento que exige cuidado é o ebulidor de água, que jamais pode ser ligado sem estar imerso em líquido. Mantas e bicos de bunsen, se não forem usados com cuidado, podem gerar queimaduras.

A equipe deve receber capacitações sobre o uso de qualquer equipamento utilizado no laboratório. Assim, é possível evitar acidentes e contaminações.

7. Tenha cuidado com o manejo dos resíduos

Os resíduos de um laboratório de análises clínicas são formados por muitos materiais que oferecem perigo. Seringas com agulhas, misturas resultantes de procedimentos com reagentes e fluidos infectantes, luvas e outros materiais que podem estar contaminados são apenas alguns exemplos. É fundamental que o manejo dos descartes seja realizado de forma adequada para evitar riscos.

8. Faça o mapeamento dos riscos do laboratório

O laboratório é um ambiente que possui alto potencial de risco. Para prevenir esse problema, é importante adotar um conjunto de estratégias. Uma das ações imprescindíveis para manter a segurança do trabalho em laboratórios clínicos é fazer o mapeamento dos riscos do laboratório.

Você pode catalogar todos os riscos que o ambiente do laboratório oferece e estabelecer uma gradação dessas ameaças codificada em cores como amarelo, vermelho e verde. Para isso, utilize a informação de quais são os tipos de riscos a que um ambiente de trabalho está sujeito, sobretudo os que citamos anteriormente.

9. Mantenha um ambiente tranquilo no meio laboral

O trabalho em um laboratório exige concentração e foco. A desatenção com os procedimentos pode expor os colaboradores a riscos graves, ameaçando sua saúde e integridade física.

A manipulação de reagentes, resíduos e amostras tem um alto potencial de perigo e deve ser feita de forma cautelosa e bem planejada. Assim, não é favorável para um laboratório a presença de conversas e brincadeiras durante os procedimentos. A equipe deve ter seriedade e responsabilidade para utilizar qualquer tipo de material.

10. Trabalhe os quase acidentes quando esses fenômenos ocorrerem

Um quase acidente é um imprevisto que tinha o potencial para causar dano ao laboratório e aos profissionais, mas que não gerou essas consequências. Eles podem acontecer com certos descuidos e são uma excelente fonte de aprendizagem. Trabalhar com esses fatos pode ser uma ótima forma de fortalecer os conhecimentos em segurança do trabalho.

Assim, promover uma discussão sobre o tema quando um quase acidente acontece é muito importante. Questione a equipe sobre quais foram as posturas que aumentaram a probabilidade de ocorrência do problema. Além disso, focalize quais são as atitudes necessárias para prevenir esses tipos de acontecimentos.

11. Compartilhe conhecimento sobre a sinalização

Um bom laboratório contém várias sinalizações sobre os potenciais riscos que os materiais e aparelhos oferecem. Porém, é importante garantir que a equipe conheça o significado da sinalização. Os símbolos e cores são variados e é importante ter mecanismos para que eles não sejam confundidos.

Educar os colaboradores acerca da sinalização é garantir que todos estejam cientes do que cada símbolo comunica. Para isso, invista em treinamentos sobre o tema e deixe um material de consulta no laboratório com as informações sobre tal codificação.

Assim, caso haja alguma dúvida sobre a questão, os colaboradores vão ter como entender melhor o tema.

12. Redija um manual de boas práticas no laboratório

O manual de boas práticas no laboratório é um documento que deve ser desenvolvido de forma personalizada, de acordo com as especificidades que o local de trabalho apresenta. Ele centraliza as informações sobre o ambiente laboral, incluindo as explicações sobre os procedimentos operacionais padrão e as instruções para a realização das tarefas.

Com esse documento, a equipe vai ter mais facilidade no trabalho e terá um bom material de consulta para a rotina laboratorial. Assim, sempre que surgirem dúvidas durante a efetivação das tarefas, os profissionais podem ter uma referência para consultarem informações. Isso evita erros no laboratório e garante maior segurança na empresa.

13. Crie uma cultura de cooperação e responsabilidade

Os profissionais precisam estar conscientes do papel que possuem dentro do laboratório. Eles são uma equipe e são responsáveis por manter a segurança de si mesmos e de seus colegas de trabalho.

Com uma cultura de cooperação e responsabilidade, os profissionais se ajudam mutuamente. Competição, rivalidades e desentendimentos prejudicam o desempenho nas análises e aumentam a probabilidade de ocorrência de acidentes no laboratório.

14. Interrompa o trabalho sempre que algum acidente acontecer

Interromper o trabalho se algum acidente acontecer é fundamental. Esse deve ser um dos protocolos preestabelecidos em caso de imprevistos. O objetivo dessa medida é que todos canalizem esforços para remediar o problema e evitar danos ao máximo.

Manter a excelência e a agilidade no trabalho é fundamental, mas a prioridade é a proteção dos colaboradores.

15. Monitore a vestimenta para o ambiente de trabalho

O ambiente laboratorial oferece muitos riscos. Por isso, ele exige que a vestimenta atenda a alguns padrões. O jaleco é de uso obrigatório e deve estar sempre abotoado. Só é permitido o uso de calçado fechado. Além disso, o ideal é que os colaboradores evitem utilizar roupas em materiais sintéticos ou facilmente inflamáveis.

Além disso, é sempre importante lembrar da necessidade do uso de EPIs. Como comentamos, luvas e óculos são imprescindíveis para a proteção ao trabalhador no ambiente laboratorial.

O que fazer em caso de acidente?

De acordo com o Ministério do Trabalho, qualquer acidente deve ser registrado em formulários para que os procedimentos legais e de segurança possam ser executados. Nem sempre as notificações acontecem, por isso, é fundamental criar essa cultura de cuidado e de prevenção dentro dos laboratórios.

Em caso de acidente em laboratórios clínicos, o responsável deve acionar os procedimentos adequados para que as medidas sejam tomadas em até 24h. Todos os envolvidos devem passar por exames de sangue e testes sorológicos.

Por mais que você seja cuidadoso e prevenido no laboratório de análises clínicas, acidentes podem acontecer. Sendo assim, é importante saber que atitudes tomar para reparar e minimizar os danos.

Listamos a seguir alguns problemas que podem ocorrer e as ações adequadas para cada situação. Acompanhe!

Derramamento de produto químico

Se um produto químico for derramado no chão ou em uma bancada, é importante limpar o local o mais rápido possível.

Os materiais utilizados para a limpeza, como papéis e panos, ou que foram contaminados pelo derramamento, devem ser descartados como resíduos químicos.

Deixe o ambiente bem ventilado, abrindo portas e janelas. Caso seja uma substância muito perigosa, evacue a área e utilize máscara para a operação de higienização.

Respingo de produto químico na região dos olhos

Se houver respingo de produto químico nos olhos de alguém, é preciso lavar os olhos da pessoa com água abundante, por pelo menos 15 minutos. Um médico deve ser acionado e os olhos do indivíduo devem ser mantidos abertos. Além disso, não tente neutralizar o reagente.

Respingo de produto em outra região do corpo

É necessário retirar a roupa que cobre o lugar atingido e lavar a região na pia ou no chuveiro de emergência, por, pelo menos, 15 minutos. É importante acionar um médico.

Princípio de incêndio

Caso aconteça um princípio de incêndio, chame ajuda imediatamente e evacue o local. Utilize o extintor adequado para eliminar o foco.

Queimadura

Você pode utilizar vaselina estéril para cobrir a área afetada e procurar ajuda médica.

Corte

É necessário lavar a região do corte com um grande volume de água, cobrir a ferida com gaze e atadura de crepe e procurar ajuda médica.

É impressionante como estamos expostos a riscos mesmo sem perceber, não é mesmo? O mais importante é nunca esquecer que a saúde e a integridade física da equipe vêm em primeiro lugar.

Sem as práticas adequadas de segurança do trabalho, os laboratórios clínicos podem ter graves problemas que até mesmo inviabilizariam a empresa de continuar operando. Por isso, cuidado nunca é demais.

Está pronto para evitar os acidentes em laboratório? Gostou de conhecer mais sobre a proteção dos trabalhadores no ambiente laboratorialConfira também o nosso post com mais 4 dicas valiosas sobre segurança do trabalho em laboratórios clínicos!

Deixe seu comentário

Vendas