(43) 3336-8556

Gestão de riscos no laboratório: o que é e como fazer

13 ago 2016

Gestão de riscos no laboratório: o que é e como fazer

Seja qual for o ramo de atuação de uma empresa, é essencial que ela possa garantir a execução e a manutenção segura de seus projetos, operações e atividades. Essa garantia só poderá ser consolidada com a identificação dos riscos inerentes à atividade que é exercida dentro da empresa, e com a elaboração de um plano efetivo para extinguir ou diminuir ao máximo tais riscos. Em outras palavras, é necessário fazer uma gestão de riscos eficiente.

Essa máxima é especialmente verdadeira quando se trata de laboratórios. A fim de garantir a segurança dos técnicos, colaboradores e de todas as pessoas que circulam pelo laboratório diariamente, é necessário ter um plano de gestão de riscos muito bem-estruturado e, principalmente, efetivo.

No artigo de hoje, descreveremos o que é a gestão de riscos e como aplicá-la em laboratórios. Confira!

Gestão de riscos: o que é?

Segundo a Norma ISO 31000:2009, gestão de riscos é definida como “atividades coordenadas para dirigir e controlar uma organização no que diz respeito ao risco”. E o que pode ser definido como risco? Em palavras sucintas, riscos são consequência do perigo. No ambiente de trabalho, perigo pode ser definido como qualquer fonte, situação ou ato com potencial de causar lesões, ferimentos ou danos para a saúde.

Assim, se os perigos não existirem, o risco tampouco existirá. Porém, é sabidamente impossível que dentro de um ambiente de trabalho não existam perigos. Dessa maneira, os esforços têm que ser concentrados na minimização dos riscos e dos impactos, criando ações de bloqueio e mecanismos de controle e treinamento das pessoas diretamente envolvidas nos processos.

Tudo isso com o objetivo de buscar um maior nível de conscientização nas questões de saúde e segurança ocupacionais. Em outras palavras, é necessário haver uma gestão de riscos eficiente.

A Norma ISO 31000:2009 foi elaborada com o objetivo de ditar as diretrizes necessárias para que qualquer organização consiga elaborar um plano de gestão de riscos, considerando que qualquer atividade laboral apresenta algum tipo de risco, mesmo que mínimo.

Porque a gestão de riscos é importante em laboratórios?

Um laboratório é um ambiente com inúmeras fontes de perigo. Exatamente por isso, elaborar um plano de gestão de riscos eficiente se faz tão importante. É essencial identificar quais são os perigos existentes no laboratório, avaliando os riscos aos quais as pessoas que lá trabalham estão expostas, assim como os terceiros que prestam serviço em suas instalações e vizinhança.

A gestão de riscos no laboratório envolve todos os níveis da empresa, já que os riscos nesse tipo de organização são multidimensionais, tanto do ponto de vista da estabilidade quanto da previsibilidade dos resultados.

Como fazer um plano de gestão de riscos no laboratório?

Desenvolver e, principalmente, implementar um bom plano de gestão de riscos em um laboratório é extremamente necessário, como explicitado anteriormente. No entanto, não é uma tarefa simples e nem de efeito rápido.

É necessário que haja o engajamento efetivo de todas as pessoas envolvidas nas atividades laboratoriais e em todos os níveis hierárquicos da instituição. Deve ainda existir uma via de mão dupla eficiente quando se trata de comunicação com todas as partes interessadas. Os resultados aparecem com o tempo, com a visível diminuição dos acidentes e com o aumento da segurança do laboratório como um todo.

A Norma ISO dá boas diretrizes sobre como montar o plano de gestão de riscos, mas é uma norma geral, que se aplica a qualquer atividade empresarial. Investir em consultorias e treinamentos especializados em gestão de riscos em laboratórios pode ser uma boa maneira de iniciar a montagem e a aplicação do plano.

Porém, de maneira geral, as ações para implementação de um plano de gestão de riscos podem ser centradas, resumidamente, em alguns tópicos:

  • Estar a par de todos os programas de segurança que devem ser aplicadas no laboratório (contidas na Portaria 3.214 do Ministério do Trabalho e Emprego);
  • Listagem de quais acidentes podem ocorrer no laboratório, incluindo risco de exposição a agentes químicos e intoxicações agudas e crônicas;
  • Classificação de todos os produtos perigosos usados no laboratório conforme sua toxicidade;
  • Identificação das causas comportamentais e estruturais que levam aos acidentes;
  • Treinamento sobre a seleção e utilização correta dos EPIs (Equipamentos de Proteção Individual);
  • Elaboração de manual sobre práticas corretas no laboratório (cuidados ao manusear e utilizar vidrarias, transporte e manuseio de substâncias tóxicas e perigosas, e utilização correta e segura dos equipamentos, por exemplo);
  • Como proceder em caso de acidentes com derramamento e contaminação de ambientes com produtos tóxicos;
  • Correto descarte de todos os resíduos gerados no laboratório, detalhando pontos de coleta de cada tipo de material e locais de armazenagem;
  • Elaboração de Fichas de Informações de Produtos Químicos (FIPQs), contidos na Norma NBR 14.725;
  • Identificação de todas as fontes causadoras de incêndio dentro do laboratório e elaboração de plano de contenção de incêndios;
  • Elaboração de Manual de Segurança do Laboratório.

Além dos tópicos listados acima, cada laboratório deve identificar situações de riscos particulares e desenvolver planos de ação a fim de diminuí-los ao máximo.

A implementação de um bom plano de gestão de riscos em laboratório traz inúmeras vantagens. A principal delas, obviamente, é o aumento da segurança de todas as pessoas que ali trabalham.

Mas, também, quando bem implementado, desenvolve nos colaboradores um maior nível de consciência da necessidade de identificar e tratar os riscos em todo o laboratório, uma melhoria na capacidade de identificação de ameaças, um maior respeito às exigências legais e regulamentares, um aumento da confiança ao realizar técnicas e procedimentos e uma utilização mais adequada dos recursos.

Entretanto, é necessário esclarecer que implementar um plano de gestão de riscos não é o mesmo que seguir a legislação vigente. Cumprir as legislações aplicáveis é uma obrigação, e permite, em certo nível, um controle e gerenciamento dos riscos.

Por outro lado, um plano de gestão de riscos vai além dos riscos diretamente ligados à biossegurança previstos em lei, seguindo uma metodologia própria, que ajuda a administrar os riscos de maneira completa.

Você já implementou a gestão de riscos em seu laboratório? Quais foram suas principais dificuldades? E quais as vantagens dessa implementação na sua opinião? Comente abaixo para enriquecer a discussão sobre esse assunto!

Deixe seu comentário